Nota de Repúdio: não ao congelamento de salários e progressões funcionais!

No sábado, 02/05, os senadores votaram por 79 x 1 o PLC 39/2020 de autoria do senador Davi Alcolumbe (DEM-AP), construído em acordo com o banqueiro Paulo Guedes, que destina R$ 120 bilhões para o combate à pandemia do novo coronavírus e socorro aos Estados e Municípios, mas em troca do congelamento dos salários, das progressões funcionais e da proibição de novos concursos públicos até dezembro de 2021.

É um absurdo que até os senadores que se dizem de oposição, como os senadores do PT, tenham votado a favor desse ataque do governo.

Hoje, 04/05, a câmara dos deputados irá votar esse projeto que é um duríssimo ataque aos direitos e ao nível de vida dos servidores públicos.

O SINDTIFES-PA repudia esse projeto que responsabiliza os servidores públicos, que já estão com os salários congelados e com suas reivindicações relacionadas à carreira, melhoria das condições de trabalho, na carreira e realização de mais concursos públicos há pelos menos 3 anos.

Seria possível responder às necessidades de investimento pesado em saúde pública e de combate à crise econômica, como a compra de testes para realização de exames em massa, aquisição de EPI’s, respiradores e ampliação dos leitos hospitalares, taxando as grandes fortunas, os bancos e suspendendo o pagamento da dívida pública.

Por que o governo, ao invés de penalizar os servidores públicos, não suspende o pagamento dos juros e amortizações da dívida por 18 meses e destina todo esse dinheiro para garantir renda mínima emergencial para os mais pobres e atender às demandas dos Estados e municípios para combater a pandemia?

Por que não regulamenta o imposto sobre as grandes fortunas, prevista na constituição federal, no lugar de congelar salários e progressões funcionais de servidores que já sofrem com arrocho salarial e planos de carreiras defasados?

Por que não se reduz os salários dos verdadeiros privilegiados, os políticos, juízes e militares de alta patente?

Trata-se de um acordo entre os ricos e a maioria dos políticos que estão se aproveitando da crise da pandemia para aprofundar um ajuste fiscal covarde e criminoso sobre os mais pobres e os servidores públicos da União, Estado e Municípios.

O Congresso Nacional neste momento faz o jogo do governo Bolsonaro, que não tem condições de seguir governando o país e precisa sair imediatamente da presidência da república devido a sua política e postura genocida, incorrendo inclusive em vários crimes de responsabilidade, conforme tem sido noticiado cotidianamente pelos meios de comunicação.

Apelamos aos deputados da bancada paraense para que votem contra esse projeto e chamamos as centrais sindicais e movimentos sociais e desenvolverem uma campanha pela revogação dessa medida, no caso de ser aprovado o PLC 39/2020.

 

Vamos enviar email para pressionar os parlamentares:

 

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 

comments

Links importantes