Conselho Superior da UFPA rejeita, por unanimidade, o programa Future-se

Em uma sessão histórica com cerca de quatro horas de duração nesta segunda-feira, 23, o Conselho Superior Universitário (CONSUN) da Universidade Federal do Pará (UFPA) rejeitou por unanimidade o Programa ‘Future-se’ do Ministério da Educação. Os (as) conselheiros (as) entenderam que o projeto é um ataque a dois pilares fundamentais que erguem a universidade pública brasileira: o financiamento público e a autonomia universitária.


Como já exposto em outras oportunidades, o Sindtifes defendeu que o ‘Future-se’ nada mais é do que uma tentativa de privatização das universidades federais por meio da terceirização da gestões das para uma Organização Social (entidade de natureza privada), o que deve ocorrer por meio do incentivo às Instituições de Ensino Superior (IES) para que busquem captar recursos junto às empresas do dito mercado.


"Este não é o futuro que as universidades públicas federais vislumbram para a sua atuação", afirmou o reitor da UFPA, Emmanuel Tourinho, durante a sessão. Antes da reunião, estudantes e professores fizeram uma manifestação contra a adesão nos corredores da instituição. E a votação foi assistida no hall da Reitoria em um telão colocado para que todos os interessados pudessem acompanhar as discussões.


A adesão ao Future-se é voluntária. Com a UFPA, já são 25 universidades federais que rejeitaram o projeto de destruição da universidade pública proposto por Jair Bolsonaro.

 

comments

Links importantes